O fundo escuro descansa a vista

O últimos pássaros da revoada só irão sobreviver enquanto o primeiro estiver batendo asas.


domingo, 7 de março de 2010

Novos Rascunhos

Chamam sketch, mas poxa, não basta ser apenas um caderno de rascunhos onde você treina e desenvolve seu traço? Aliás, há muito mais utilidade que isso. Pode experimentar a técnica, estudar o olhar, etc. E transforma-se em um anexo do portifólio... Às vezes, algo que já existia desde sempre torna-se supervalorizado de uma hora para outra. Só vejo falarem desse tal de Sketch e na maior da verdade é um caderno de rascunho que ganhou nome inglês e ficou famoso. E para quem utiliza várias gramaturas e texturas de papel, pense, você já não fazia isso antes só que sem a espiral? Tudo o que aconteceu é que você ficou mais organizado com seus rascunhos, ou você ainda guarda tudo (desenhos, pinturas, folhas A3, A4, pedaços de papel desenhado, guarda-napo ilustrado) em uma só gaveta?

Ao rascunhar, prefira ser organizado utilizando vários Sketch's A4 ou A5, com folhas de papeis diferentes e gramaturas diferentes, pois pelo menos isso ajuda quando precisar mostrar seus estudos para profissionais. Você pode também ajudar a natureza, não comprando de primeira, mas utilizando aquilo que já tem e já usa. Quem sabe se você furar seus desenhos e passar a espiral, não dá um bom sketch? Ou melhor, pode fazer uma trama com cordão e colar como um livro. Não sei fazer isso, mas já vi e não parece difícil.


 

Bom, sobre as imagens: Fiz esse Sketch book ou Caderno, utilizando papel reciclado especial que ganhei da Ariany. Estou utilizando no curso de ilustração da Fundação Bradesco, ministrado pelo Will.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Desenho, mesmo que sem desenhar

Hoje, tentando escapar da rotina (ou vício) de ligar o computador e programar o jogo Never Winter Nights com uma das minhas histórias antigas de RPG, depois que cheguei do curso de Ilustração na Fundação Bradesco (aulas com Will) ou então, deixar um pouco de lado o Google SketchUp, visitei meu Blog, sem muita intenção. Acabei indo para outro blog que acompanho Ilustra Infantil e depois voltei ao meu, pois cliquei no link destinado ao meu nome; passei no carbonmade e depois cliquei no meu nome novamente do lado do "c" de copyright (falso) e 2008. Enfim, percebi que toda essa cronologia é muito importante na minha vida. Todos esses posts antigos neste blog me fizeram perceber uma sutil diferença entre os "trabalhos" realizados por mim quando não havia qualquer responsabilidade de entrega, prazo, etc. e os verdadeiros trabalhos de desenho. Todos têm qualidade razoável, mas não há identidade maior do que nesses que eu faço por hobby. É inexplicável, mas é bom ver que existe um desenvolvimento, existe um progresso e às vezes, vê-se desenhos ou idéias que nunca mais irão surgir novamente ou mesmo coisa semelhante. Interessante como parece que não sou um indivíduo que desenha, mas um conjunto de indivíduos misturados desenhando cada momento em seu momento único, tendo oportunidade de descobrir um mundo novo que nunca voltará. Os desenhos são cristalizados exprimindo aquele indivíduo que existe por pouco tempo. É algo que não é tão importante, mas me dá motivação a descobrir e criar novos desenhos e novos desenhistas.

sábado, 13 de junho de 2009

Flash - Outra onda

Veio então uma época de atualização com relação a técnica para desenho. Eu já havia escolhido a faculdade (matemática aplicada, ciências da computação, engenharia, processamento de dados, ou quase isso) e não fui bem motivado às artes por questões preconceituais paterna. Aliás, hoje eu só tenho a agradecer, não foi uma má indicação, ele hoje me incentiva nas artes agora que estou formado e com uma profissão. Estudava num cursinho no Butantã e já treinava Kung Fu. Fiquei 1 ano me preparando. Muitas coisas, mas muitas mesmo, aconteceram.

Primeiro que, como já contei a alguns amigos da academia, treinava "clandestinamente" com o meu amigo e irmão de consideração Alexandre e o meu instrutor ocultista Fernando. Chegava em casa marcado dos treinos (naquela época eu tinha mais energia que hoje, mas tudo bem) e minha mãe não gostava muito. Depois de ela muito falar, meu pai me colocou na academia de Kung Fu. Parei um pouco de treinar com o Alexandre mas voltei um tempo depois. Era diferente o treino. Sempre fui muito ligado a artes marciais e a filmes de Kung Fu. Treinava também sozinho em casa.

Na época de 2004 então, a música começou a me motivar. A banda Vitale foi formada mais ou menos nessa época, iniciada pelo Giuliano, meu irmão. Consegui aprender bastante (mas não "o bastante") sobre música e conseguia acompanhar o pessoal com violão e com minha flauta doce de madeira trazida de Pernambuco pelo meu pai. Puxa eu teria muito a contar sobre isso, mas não dará espaço. Vou voltar aos desenhos.

ARS VITALE



Ainda em 2004 e início de 2005, comecei a estudar, fuçar, mexer só por curiosidade em Flash (Macromedia). Consegui o programa com um amigo da escola depois que fizemos um trabalho de interpretação de um livro através de música em 2003. Eu ainda tinha aquele tempo disponível para aprender sozinho. Este banner foi a pedido do Giuliano para o possível site da banda Vitale. Feito em 2004 se não me engano.

KUNG FU



Acho que este é do início de 2005. Eu entrei na faculdade no primeiro semestre desse ano. Se refere à arte que eu treinava com o Alexandre. Necessitei desenhar os movimentos da técnica para não esquecer e também por que eu acho que nunca tinha desenhado golpes reais, muito menos animado.

Gostaria de contar mais, porém não tenho nem tempo, nem espaço suficiente para isso. Fica a memória daqueles que participaram dessas épocas e a minha memória se alguém um dia conseguir ler. Claro que meu cérebro precisará estar preservado. Aceito Criogenia.

Um grande abraço a todos!

quarta-feira, 3 de junho de 2009

A Era do Role Play




Por muito tempo duraram os Role Play na minha vida. Somente cerca de 10 anos rolando dados e criando histórias fantásticas. Por toda essa fase, sempre gostei de criar sistemas novos e desenhar cada detalhe, além de criar as regras. Isso pode explicar muito a minha carreira. Tudo coincidiu, como se eu já soubesse o que eu seria quando crescesse... porém não sabia.

Um dos primeiros (Toons), deu origem a meu primeiro sistema, o qual escrevi e tenho até hoje, além de tê-lo desenhado no meu primeiro post deste blog. Os próximos (AD&D, Trevas, Vampiro, Lobisomen, Gurps, D&D, AD&D3ªed., se não tiver mais) foram inspiração para uma mistura que logo eu desenvolveria com melhores desenhos e regras mais bem definidas. Mas simplesmente, quase todas as minhas brincadeiras (com os Playmobil), jogos de video game prediletos (Final Fantasy e Dragon Ball) e desenhos eram baseados nas famosas histórias fantásticas.

Aprender a mexer com o computador só alavancou a minha vontade de fazer "tudo sozinho", criar, saber como funciona por dentro, "fazer do meu jeito", inventar, enfim desenvolver. Não posso deixar de comentar que Hoje sou formado em Processamento de Dados (e ontem peguei meu diploma) e agora neste insight, descubro que tudo não passou de uma preparação para a vida. Minhas habilidades já estavam praticamente formadas e a experiência de ter criado tanto me beneficia tanto no trabalho como na arte (e também na música experimental). Ainda tenho a pretensão de me tornar um ótimo ilustrador ou artista plástico, que "inove"! Só que esta minha vontade se estende tanto que chego a pensar em SISTEMAS em tudo, até a mais brilhante ferramenta do corpo humano que é o cérebro. Se um dia eu puder (e se conseguir conciliar) partiria para as neurociências e horizontes afins e desafins.

Ah, as imagens!

São de algum RPG no ano de 2005, narrado pelo meu irmão Giuliano. Um personagem para o Rômulo (Ranger) e outro para o Maurício (Mago).

A vida nessas horas parece muito rápida.

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Bugigangas digitais

Puxa, depois de mais de 1 ano, volto a colocar aqui minhas tralhas digitais para navegar na nostalgia do meu processo de aperfeiçoamento do desenho e do olhar (para o computador). Como demora muito para colocar cada imagem e comentário, resolvi juntar tudo neste post, para servir como um marco - fim das lembranças e começo de novidades.
Começando pelos Mapas do maior RPG de todos os tempos, onde jogavam os Pilantras. Um grupo de sem-o-que-fazer se encontraram depois de muito tempo da escola e resolveram jogar e criar um fórum, o Pillo Board, onde mantínhamos o arquivo dos jogos. O Pillo Board hoje é um grupo falido de msn. Esses mapas foram feitos em um software que não me lembro mais o nome.
2004









2004




2004


2002

2002
2001



2001

E terminando por esse, senão o primeiro desenho que fiz naquele meu 386 ou 486, não lembro bem, mas olha que o monitor não era tão bom, o laranja é vermelho e amarelho alternado.

Quem sou eu

Minha foto
Essa pergunta é sempre muito difícil, mas não para quem está respondendo... na verdade a pergunta está errada, pois eu sei quem sou, já vocês, não! Posso dizer que eu sou um cogumelo que para mim eu vou ser, mas para vocês eu possa parecer uma pessoa mesmo... Enfim, eu sou um cogumelo.